Bloqueador de Selecao

domingo, 29 de janeiro de 2017

É PRECISO VER OU SENTIR O SOFRIMENTO PARA SE APRECIAR A VIDA?



Buda dizia que os seres humanos podem ser comparados a quatro tipos de cavalos.

O primeiro cavalo, ao ver a sombra do chicote,  galopa.
Este seria o ser humano que ao ouvir sobre sofrimento e dor de seres desconhecidos, começa a apreciar sua vida.

O segundo cavalo, precisa ser chicoteado na pele para galopar.
É a pessoa que precisa sentir a dor ou o sofrimento de alguém conhecido (mas não muito íntimo) para começar a apreciar sua vida.

O terceiro cavalo precisa ser chicoteado até cortar o pêlo e penetrar a carne.
Alguém que só começa a apreciar a vida depois de perder ou sofrer muito com as dificuldades de alguém muito amado/a ou próxima/o.

O quarto cavalo só é capaz de galopar quando o chicote o fere até o osso.
Essas pessoas só conseguem apreciar a existência quando percebem que ela está quase a se acabar.


Que tipo de cavalo é você? Que tipo de cavalo você pode se tornar? 

(Monja Coen)

59 comentários:

  1. Olá boa tarde!
    Belo texto que para mim, só o titulo já me diz muito. Foi preciso eu passar por um gravíssimo acidente de trabalho, com rico de vida. Para hoje dar valor às pequenas coisas. Só quem passa por elas.

    Escolho por isso o terceiro.(3)

    Um beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ressalvo a palavra risco e não rico. Desculpe

      Excluir
    2. É o que comumente acontece, Cidália!
      Precisamos despertar para a beleza da vida espontaneamente, sem necessidade de passarmos, antes, por momentos dolorosos.
      Obrigada!
      Feliz semana!
      Beijo.

      Excluir
  2. Oi, Vera...penso queria o primeiro cavalo...mas o ideal era não ter chicote, era amar a vida sem medo.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Guaraciaba,
      Também acho que não precisamos dar de cara com o sofrimento para apreciar a vida, mas, infelizmente, muitos somente despertam para o valor da própria vida quando são surpreendidos pela dor.
      Obrigada!
      Feliz semana!
      Beijo.

      Excluir
  3. VERA: Boa tarde. Muito importante seus escritos. Com certeza,é necessário ver e sentir o sofrimento para podermos dar mais valor à vida, assim como também, valorizar as pessoas que gostam e estão ao nosso lado. Amiga, beijos e tudo de bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela participação, Maria Adeladia!
      Parabéns pela partilha importante lá no seu espaço.
      Todos que se encontram aptos deveriam fazer os tipos de doação focalizados, capazes de salvarem vidas.
      Ótima semana!
      Beijo.

      Excluir
  4. Nem é preciso senti-lo. Basta olhar à nossa volta, ver o que nos rodeia, para aprendermos a apreciar a vida.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Elvira!
      Já estive lá em seu espaço lendo o conto "Uma noite de inverno".
      Um conto triste, com um final dramático, e uma excelente narrativa.
      Parabéns!
      Feliz semana também para você.
      Beijo.

      Excluir
  5. Um pouco de casa um, um mix de cavalo. Muito bom, Vera Lucia. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela atenção, Fábio!
      Ótima semana!

      Excluir
  6. Infelizmente muitos só se comovem quando acontece as coisas com ela própria, as pessoas só ver quando a dor acontece, Vera bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela presença, Lucimar!
      Tenha uma linda semana!
      Beijo.

      Excluir
  7. Estou refletindo, mas, acredito que a gratidão e compaixão ameniza nosso desejo de deitar sobre determinadas dores nossas e alheias. Vivemos um sonho com data de término, então melhor passar pelo sofrimento como uma forma de obstáculo a ultrapassar, com fé. Estou aprendendo, amiga, mas sei que sou um pouco de tudo isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto demais desta minha sábia amiga.
      Obrigada, querida Sonia Guzzi!
      Ótima semana!
      Beijão.

      Excluir
  8. Pela compreensão do que é capaz o chicote me situo lá no primeiro cavalo.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade, as questões foram colocadas apenas para incitarem a reflexão e cada um deve respondê-las a si próprio.
      Obrigada, Cadinho!
      Ótima semana!

      Excluir
  9. Belo post, Vera! Pessoalmente, prefiro pensar que existe um quinto tipo: aquele que ouve a voz do cavaleiro e atende a seus apelos, evitando assim, na maior parte das vezes, a dor do chicote; se bem que ele sempre acaba por nos atingir, não é? :) Obrigado pela imagem da semana passada; foi ela que inspirou o meu post atual! :) boa semana, amiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que quase nunca ouvimos a voz do cavaleiro e a dor do chicote é certeira. Ainda bem que a dor nos desperta.
      Fui ler sua postagem e fiquei encantada com a inspiração que a imagem lhe proporcionou. Parabéns!
      Abraço.

      Excluir
  10. Adorei,Verinha e fizemos aqui em casa uma reflexão conjunta.;Foi tri legal! Kiko, Neno e eu...Valeu! Belo momento reflexivo! bjs, ótima semana,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Chica!
      Reflexão em grupo produz excelentes resultados.
      Ótima semana também para vocês.
      Beijo.

      Excluir
  11. De alguma forma... o sofrimento é sempre uma forma de consciencialização...
    A minha... chegou bem cedo, através da perda de alguém muito próximo... pelo que para todos os efeitos, acho que me enquadro na terceira categoria...
    Beijinhos, Vera! Como sempre uma formidável partilha, que nos d+a que pensar...
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ana,
      Sem dúvida,o sofrimento é instrumento de importantes aprendizados.
      Na verdade, quase sempre optamos por aprender na marra. Se não aprendemos pelo amor, acabamos aprendendo através da dor.
      Obrigada pela presença!
      Beijo.

      Excluir
  12. Creio que a maioria de nós aprende pela dor. Ela traz palavras que são ouvidas no silêncio do sentir. É ela que nos leva à reflexão e nos compele a olhar tudo de forma diferente, valorizando todos os instantes da vida. Gostei muito do texto e da linda imagem. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, os maiores aprendizados chegam através de dor, embora a valorização da vida deveria acontecer independente dela. Mas, como seres humanos, muitas vezes recalcitrantes, precisamos da dor para olhar a vida com sentimento de gratidão.
      Obrigada, mana, pelo ótimo comentário.
      Beijo.

      Excluir
  13. Vera
    Dum modo filosófico, assim temos uma visão da vida, apreciável visão.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A filosofia nos oferece ótimos parâmetros para reflexão.
      Obrigada pela presença e comentário, Daniel!
      Abraço.

      Excluir
  14. Encantado com suas idas ao Cadinho (meu nosso blog) e à nossa www.hellowebradio.com ... sensação de proximidade entre nós.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  15. Hello Vera,
    word again, forcing think.
    Very beautiful.
    Have a nice week.
    Greetings and hugs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thank you, dear Pantherka!
      Beautiful and blessed week to you.
      Kiss.

      Excluir
  16. Que interessante conto, Vera, e mais uma vez voltamos aos cavalos, rsrrss!
    Admito que senti um certo orgulho de perceber que eu seria o primeiro cavalo, hoje em dia aprendi a dar valor à vida e às pessoas que eu amo sem precisar acompanhar o sofrimento de perto ou fazer sofrer, ou sofrer algo na pele, ou esperar que as coisas cheguem a um ponto irremediável para dar valor. Eu espero que as pessoas que são próximas à mim também me vejam assim, porque muitas vezes não percebemos nossas próprias limitações.
    Mas tenho consciência de que para desenvolver esse olhar grato e valoroso muitas chicotadas foram necessárias, rsrsrs!
    Todas as levamos, mas aprender depende de cada um.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, Bia, todos levamos nossas chicotadas e procurar fazer bom uso de suas marcas é mesmo algo individual. A maioria reage bem, aprende e evolui. Bom quando não precisamos delas para poder valorizar tudo de bom que a vida nos trás, apesar de todos os pesares.
      Estou lembrando do pote das reclamações-rsrs. Muito legal!
      Beijo.

      Excluir
  17. Creio ser o primeiro. Mas se a chicotada for forte não vitimizo, ergo a cabeça e sigo em frente. Texto excelente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, Graça!
      Nada de vitimismo.
      É levantar, sacudir a poeira, e seguir, mais rica em aprendizados e com menos riscos de entrar em contato com o sofrimento desnecessariamente. Afinal, a nossa existência é muito rica em motivos para ser feliz.
      Adorei vê-la por aqui. Obrigada!
      Beijão.

      Excluir
  18. Bom dia Vera ;)
    Que linda reflexão...
    É claro que sempre podemos nos tornar cavalos melhores,
    mas eu me vejo nesse primeiro cavalo!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Clau, sempre estaremos aptos ao aprendizado, ainda que seja como o primeiro cavalo que, à simples sombra do chicote, já desperta para a valorização da existência. Não precisamos do sofrimento, alheio e nem nosso, para perceber a grandiosidade da nossa existência. E poder vivê-la sem maiores traumas é uma graça, que depende unicamente de nós fazer jus a ela.
      Obrigada!
      Beijo.

      Excluir
  19. Estou retornando de um tempo de descanso.
    Creio que o melhor seria se não precisássemos sentir nenhuma chicotada, mas nem sempre assim acontece e a vida vai nos ensinando de acordo com as nossas necessidades.
    Um abraço.
    Élys

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Élys,
      É um prazer revê-lo.
      Também estive com o meu blog fechado por alguns meses. Não posso afirmar que retornei, apesar de deixá-lo aberto. Tanto que nem cuidei de avisar os amigos, pois, no momento, estou me limitando a retribuir eventuais visitas. Não tenho certeza ainda se continuarei blogando.
      Quanto ao seu entendimento, concordo inteiramente. Embora não precisemos levar chicotadas para apreciar a vida, costumamos dar mais valor a ela quanto surpreendidos por algo que nos faz tremer nas bases-rsrs. E, com efeito, cada acontecimento vem seguido da lição que estamos precisando.
      Obrigada, amigo!
      Abraço.

      Excluir
  20. ótima reflexão, Vera. Me identifico em todos os cavalos. Eque baita texto. bjssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sérgio!
      Quanto tempo, hein?
      Lembrei de você outro dia. Sabe por quê? Quase não tenho assistido aos programas de TV, exceto jornais, entrevistas e a novela das 21 horas. Como arrumar argumento para comentar suas postagens?-rs.
      Vou lá ver a sua aborgadem de hoje.
      Obrigada pela presença!
      Abraço.

      Excluir
  21. Olá, Verinha
    Muito interessante essa filosofia, e quanto a mim muito acertada.
    Há muito pouco tempo o meu osteopata dizia:
    Nós não nascemos para ter dor, não é normal ter-se dor; quando há dor alguma coisa está mal.
    Referia-se à dor física, mas tanto essa como a dor moral (que tantas vezes provoca dor física)só sentidas se podem avaliar.
    Bom seria que não precisássemos sentir dor para melhor compreender-mos a dor do nosso semelhante. Mas. apesar da sua grande perfeição, o ser humano ainda tem muitos defeitos...

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conclusão perfeita, Mariazita.
      Somos falhos e estamos na escola da vida para aprendermos e evoluirmos. Vamos sempre tropeçar, mas nada será irrelevante. Dizem que os maiores aprendizados surgem através da dor. Portanto, se o sofrimento chega, embora por nossa própria displicência diante da vida, é porque ele trará as lições de que necessitamos em cada momento.
      Obrigada!"
      Beijo.

      Excluir
  22. Olá, Kilida, bom dia...tipo de cavalo?
    realmente, em momentos fatídicos, muitos percebem quão preciosa é a vida e assim, há o " apreciar a vida e viver plenamente como se fosse o último dia"!
    Por isso, creio que não precisamos de fazer todas as ocasiões extremas , nem esperar conviver com o sofrimento alheio, de desconhecido, não muito íntimo ou íntimo, para começar a apreciar a vida ao máximo desde logo e agora... perspectivas limitadas para a vida(terrena) limitada...
    Pelo carinho de sempre, belos dias, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá kirido,
      Concordo!
      Quanto ao propagado "viver plenamente como se fosse o último dia" acho um tanto exagerado e utópico. Viver inteiramente os bons momentos já acho ótimo-rsrs.
      Grata por sua presença. É sempre um prazer vê-lo por aqui.
      Beijo.

      Excluir
  23. Hello dear Vera,
    I wish you a wonderful Friday and a great weekend.
    Greetings and hugs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thank you, Pantherka!
      Great weekend for you too.
      Kiss.

      Excluir
  24. Bela reflexão, e eu me identifico com o primeiro cavalo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela presença e comentário, Norma!
      Que saibamos valorizar a vida independente do sofrimento, que fatalmente irá nos cometer em algum momento da existência.
      Desejo-lhe um excelente final de semana!
      Beijo.

      Excluir
  25. Que Bela reflexão!!!
    Acabei de cair por acaso aqui no seu blog e já dei de cara com essa postagem maravilhosa!
    "Dê valor antes de perder!"
    Precisamos aproveitar mais a vida, curtir os pequenos detalhes, a simplicidade que é bela e nos entregar ao prazer de viver!

    Se quiser nos conhecer temos um blog voltado para o empoderamento e universo feminino: https://bellalua2016.blogspot.com.br

    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jaynne!
      Seja bem vinda ao meu Recanto!
      Fui conhecer o seu espaço. Só vi uma postagem, pelo que deduzi que você está inciando sua jornada pela blogosfera. Desejo-lhe muito sucesso.
      Obrigada pelo comentário!
      Beijo.

      Excluir
  26. Que boa partilha Vera, para uma rodada de reflexão e auto conhecimento.
    Eu creio neste pangaré da primeira fila,kkk.
    Mas penso que o sofrimento é por muitas vezes uma verdadeira escola, se se pára e pensa e recria a vida.
    Gostei.
    Um abração com carinho e bom fim de semana com paz e alegrias.
    Engraçado que com estas opções eu lembrei do meu saudoso pai, quando definia os tipos de cachaças como sendo uma do macaco, uma do leão e um do porco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Toninho,
      Sem dúvida, o sofrimento é base de mudanças significativas na maneira de ser de todos nós. Embora não necessário como fator de aprendizado, ele chega sempre que tropeçamos. Saber extrair dele as lições necessárias nos leva a ser mais fortes e mais sábios, propiciando sobremaneira a nossa evolução.
      Tive que rir do "pangaré da primeira fila"-rsrs. Também interessante a definição do seu pai quanto aos tipos de cachaça-rsrs.
      Grata pelo carinho!
      Ótimo final de semana!
      Abraço.

      Excluir
  27. Sempre achei que não é preciso existir sofrimento ou injustiça para darmos valor ao Bem. Somos felizes sem sofrimento.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, Elisabete.
      Deus nos criou para a felicidade. Algumas dores são necessárias para o nosso burilamento, mas não precisamos esperar por elas para dar valor à nossa existência.
      Obrigada!
      Beijo.

      Excluir
  28. UN TEMA MUY INTERESANTE. BUDA FUE MUY SABIO.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  29. Muito lindo esse texto.
    Creio que talvez seja como o cavalo primeiro.
    Porque a vida me ensinou galopar mesmo com fraturas expostas.

    Beijo sorriso lindo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho da leitura, querida!
      Galopar, mesmo com fraturas expostas, é sinal de fé e fortaleza.
      Beijão.

      Excluir

OBRIGADA PELA VISITA E COMENTÁRIO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...