Bloqueador de Selecao

domingo, 19 de abril de 2015

"ONDE NÃO PUDERES AMAR NÃO TE DEMORES".


                                                                               (Gordon King art)
Deparei-me com a crônica abaixo quando pesquisava sobre a autoria da frase "Onde não puderes amar não te demores". Estava visitando o blog da amiga Fê blue bird (sotepeco5minutos.blogspot.com.br), onde ela havia postado a respeito, ressaltando que não tinha certeza quanto à autoria de dita frase, ora atribuída ao poeta e escritor brasileiro Augusto Branco e ora à pintora mexicana Frida Kahlo. Segundo Graça Taguti, autora da referida crônica, tal frase é de autoria  de Augusto Branco.
Então, resolvi partilhar, aqui, alguns fragmentos da linda crônica. Quem ainda não a conhece e desejar lê-la na íntegra basta acessar o link www.revistabula.com/3372-onde-nao-puderes-amar-nao-te-demores/.

                                       "ONDE NÃO PUDERES AMAR NÃO TE DEMORES"

Sai, corre logo. Afasta-te das ventanias cruéis que ameaçam revirar-te a vida e os sonhos pelo avesso. Aqueles pedaços de histórias rotas e cerzidas, atiradas no cesto de roupas de sorrir — e que já usaste tantas vezes em festas enxovalhadas. Foge das tempestades. Das estradas sem rumo. Das folhas ressequidas, espalhadas em terrenos áridos e desconexos.
Rejeita os lábios que não beijam mais e dos quais escorre apenas amargura, fel e impropérios. Sim. Tranca a porta, os ouvidos, a sensatez e vira as costas sem remorsos para tudo o que te causa mal e tristezas. Teus dias pinta-os com aquarelas leves e doces, mescladas a tons pastel. 
As horas não devem ser transformadas inexoravelmente em cinzas, quem te disse? Embora saibamos que se trata de horas mortas, inertes em relógios de parede enferrujados pelo cansaço. Relógios, cujos ponteiros foram derretidos pelos vastos incêndios que se apossaram silentes da tua alma atônita.
Há esconderijos disponíveis para cultivar a paz. Um sentimento que parece ter escorrido pelas vielas de tempos imorredouros. Olha e te surpreende, pois há linhas de seda para tricotar novas promessas de amores leves, já nascidos com asas. Amores azuis que flertam com a presença suprema da liberdade.
Foge também de quem tiver o aperto de mão indiferente e áspero, os sorrisos ausentes no rosto exausto de mentiras, o nariz empinado de arrogâncias vãs.
Despreza indivíduos sem ouvidos, concentrados em lamber unicamente a própria fala. Àqueles aficionados em solilóquios, em discursos sem eco, voltados regiamente para o próprio espelho das vaidades, adornado pelo gigantismo do ego.
Alheia-te também de quem perdeu os braços de abraçar. Esqueceu-se de abrir as janelas para as visitas das alvoradas e lacrou os sentidos para os cantos felizes dos pássaros matutinos.

Não te esqueças de cerrar as cortinas do coração para os que desprezam a luz, as cirandas e as crianças. Os que chutam por tédio pequeninos animais órfãos, perdidos a esmo nas ruas.
Recusa, de imediato, namoro insípido, porque não há sal que dê jeito em afetos falidos.
Outro alerta: desanda a correr da inveja, do escárnio, do ódio fantasiado de gentilezas em oferta. Todas elas por R$9,99. Este pacote de desmazelos se acumula no enfado e no desamor de lojas vazias. A maldade ronda a vizinhança, se intromete em eclipses, passeia com os pés descalços em imensos desertos brancos.
Mas lá tu não irás, temos certeza, pois falta amor — teu coração já anunciou. Além disso, felizmente também contas com os afáveis sussurros da natureza, que entremeiam tuas histórias e caminhos, sempre rodeados de ideais e de esperanças.

(Por Graça Taguti).

50 comentários:

  1. Poxa que belo trabalho você teve Vera.
    Lembro da passagem por Fê.
    Gostei e depois vou vê-la na integra.

    Um bom e belo domingo azulado.
    Carinhoso abraço mineiro de flor.

    ResponderExcluir
  2. Lindo e reflectivo texto...
    Amei... de verdade!

    Beijinho um feliz final de Domingo.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Vera.
    Excelente o tema que nos traz - ainda hoje, em conversa com minha filha, que me contava duma colega que havia sofrido violência dum namorado, eu dizia, que era inconcebível aceitar que o que se considera como sentimento mais nobre, e mais procurado como razão de felicidade gerasse tanta dor - isso não podia, jamais, ser amor.
    "Não há sal que dê jeito em afetos falidos" - e diz muito bem.

    bj amg

    ResponderExcluir
  4. Oi, Vera...o texto repassa quase por inteiro a realidade dos nossos dias e das relações humanas calcadas na
    sociedade gerada pelo consumo e interesses materiais que se manifestam na violenta disputa moral e psicológica, de vaidades e poderes, do ter e da falsidade do ser. há um cansaço em tudo isso quem sabe desse cansaço possa brotar uma nova realidade baseada em valores mais elevados.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Excelente! Já o título me prendeu a curiosidade e acertei ler seu post! Você, Vera, garimpou e nos premiou com belo post; e Graça elaborou com riqueza de detalhes e conscientização - o mundo que nos cerca! Valeu mesmo!Obrigada!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Simplesmente maravilhosa mensagem! ADOREI! Voltando após a saída do filhão, assim, me distraio, enquanto acompanho os voos...bjs, chica

    ResponderExcluir
  7. È possível colocar isso tudo na prática, sim. Mas, é preciso vigiar...e até orar...
    Beijos, minha querida Vera Lúcia!!!

    ResponderExcluir
  8. Percorrer caminhos escuros, onde outros fizeram opção de morar, não nos faz bem. Se a vida nos apresenta cores, melhor nos encantarmos com elas. É certo que muitos podem sair do desamor se encontrarem braços e palavras amigas. Mas entendo não ter a autora os incluído em suas considerações. A luz da harmonia se acomoda, prazerosamente, nos corações onde existe amor. E é ao lado deles que devemos permanecer. Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Vera, como vai?
    Que texto forte, e lindo! O amor interno precisa se alimentar de alegria, leveza, reciprocidade, cuidado... precisa de apoio, leveza, alegria, braços (abraços) abertos e sorrisos autênticos despidos de sarcasmo ou interesse. E assim o amor se externiza, se espalha e abre portas para que aquele que chegue, se demore.
    Sim, não me demoro em lugares onde não posso amar ou onde meu amor não é bem vindo. E talvez por esse motivo hoje estou amando mais que nunca. :)
    Abraço, linda semana!

    ResponderExcluir
  10. É tão contraditório, mas há cada vez mais relatos de violência no namoro. Um texto forte, sábio que deve ser partilhado.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Um lindo texto, cujos ensinamentos venho praticando há algum tempo. Mas o engraçado, é que deixar, abandonar, virar as costas a algo a que estamos acostumados, mesmo que vil, dói, estranhamente. acho que a alma, já acostumada aos golpes, ressente-se da falta deles. É como um vício do qual tentamos nos livrar. Como se antes tivéssemos uma referência (mesmo que errônea) a respeito do que somos, do nosso lugar - o lugar que nos deram -, nossa identidade, e que ao darmos as costas a essa identidade falsa e dolorida, a esse lugar apertado, a dor dos ossos e músculos sendo esticados pela primeira vez nos deixasse tentados a nos encolher de novo. É preciso ser muito forte para nos livrarmos do que nos faz mal.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. Valiosos conselhos muito bem elencados no texto-mensagem.Muitas dos ensinamentos apontados venho praticando há tempos, outros vou burilando conforme é possível.
    Adorei a leitura.Obrigada por mais esta página imperdível, Verinha.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  13. Meu Deus...que bela postagem...Parabéns ...Verinha. beijos
    veraportella

    ResponderExcluir
  14. Uma crônica, simplesmente maravilhosa...Que toca, certamente, a sensibilidade de quem lê.
    Tenha uma linda semana,
    Élys.

    ResponderExcluir
  15. Um texto muito inspirador. É importante sabermos escolher as cores e as nuances com que pintamos a tela da nossa vida.
    Um beijinho

    ResponderExcluir
  16. Uma bela crónica de Graça Taguti. Escrita de forma muito poética.
    "Onde não puderes amar não te demores", e "nunca voltes ao lugar /onde já foste feliz /por muito que o coração diga/ não faças o que ele diz"...excerto de uma canção intitulada "As regras da sensatez", do Rui Veloso.
    No fundo, trata-se do devido afastamento de tudo o que nada nos acrescenta, e porventura só nos consome. Algo a que o hábito, as rotinas ou a falta de coragem, fazem surgir aos nossos olhos como irremediável, mas que o não é. Ficamos por vezes cegos às nossas próprias necessidades, quando o coração já se tornou amorfo e temeroso à mudança. Mas a mudança é movimento e liberdade.
    Lá à frente, a seguir à curva, estará algo de melhor.
    Belo post, Vera Lúcia!
    Um óptima semana para ti.
    xx

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde Verinha!
    Que crônica maravilhosa... Começo falando que amei o titulo, frase de Augusto Branco, quanta sabedoria em poucas palavras <3
    Fujo de tudo que não é de verdade, agora tenho uma frase que explica essa minha atitude!
    Parabéns pela escolha!!

    Espero que vc esteja aproveitando bastante esses dias e que estejas descansando também, ainda mais depois de uma semana tão cansativa como a semana passada <3

    Um grande beijo e um lindo feriado pra vcs!

    ResponderExcluir
  18. Hi Vera,
    really wonderful and very interesting text.
    Have a nice evening.
    Greetings and hugs.

    ResponderExcluir
  19. Olá, linda Vera! Como está?
    Sou um pouco avesso aos textos que ditam receitas de como viver bem e melhor, de como transformar uma miserável existência em uma beatitude plena, de como é fácil alterar o rumo do destino para ser feliz ao extremo etc. e etc. Mas também não deixo de acreditar que todas essas coisas podem se tornar possíveis, o difícil é abandonar os conceitos, as imposições sociais e culturais, jogar tudo para cima, virar a mesa, chutar o balde e sair ileso disso tudo. Acreditar só não basta, a intenção deve ser acompanhada de uma ação, do contrário será vã. Uma receita de felicidade pode ser boa para uma pessoa e inútil para todas as demais. Então desejo que cada um encontre a sua, assim como sei que é o seu desejo também.
    Um grande e saudoso abraço!

    ResponderExcluir
  20. Olá querida Vera! Muito obrigada por compartilhar esta pérola. Um grande bj!

    ResponderExcluir
  21. Olá, Kilida,
    ninguém merece pintura em apê e ficar sem sinal de Internet...creio que a Graça Taguti está certa, esta frase-título desta crônica é do Augusto Branco —Poemas para a juventude!
    Devemos nos afastar daquilo que não faz bem para nós. Só quem tem muito amor dentro de si pode ter essas reflexões.Infelizmente, trazemos uma tremenda dificuldade em cultivar o amor próprio e a autoconfiança e deixamos de lado nossa vontade, para fazer tudo o que o outros querem, pois aprendemos a cultivar o "ideal" e, portanto, tivemos que engolir nossos sentimentos, mesmo que estivesse contrariando nossa natureza.Assim, vemos a maioria das pessoas mergulhadas no estresse social, preocupadas em ter e poder, mas esquecendo de ser... devemos é reconhecer esse amor em nós para podermos nos abrir a fim de recebermos e doarmos ainda mais amor, assim,quando nos tornamos ardentemente altruístas, nós encontramos no momento certo a compreensão que o amor não é algo que precisamos buscar, ele sempre estará presente em quem somos e como somos...
    Agradeço pelo carinho de sempre, feliz semana, belos dias,beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,Boa noite, Kilida
      ispero que ocê miorô do enjôo já, agradecendo pelo carinho de sempre, feliz semana, belos dias, beijos!

      Excluir
  22. Vera Lúcia, texto muito bom! Buscar sempre coisas boas e fugir das más! A Vida é um belo aprendizado...
    Bom feriado... Bjs

    ResponderExcluir
  23. Texto muito bom, inteligente, real... muito bem condensado. O importante aqui fica.
    Parabéns, Vera.



    Beijos



    SOL

    ResponderExcluir
  24. Amiga Vera, obrigada por mencionar o meu blogue e principalmente por me dar a conhecer a autoria certa da frase .
    Há alguns anos tive uma depressão grave que ultrapassei graças ao conselhos de uma psicóloga, que se tornou mais tarde uma grande amiga, ela disse-me que devia afastar-me de pessoas negativas, más e mesquinhas e de notícias tristes e deprimentes.
    Procurar sempre estar rodeada de gente feliz e bem disposta e ver o lado belo da vida e principalmente estar perto de quem gosta de nós.
    Ainda hoje quando estou mais " em baixo" penso nesses ensinamentos.
    Vou seguir o link que indicou e ler mais sobre este tema que me é tão grato.

    beijinho com carinho


    ResponderExcluir
  25. Puxa... Lindo texto! Que bom que compartilhou!

    ResponderExcluir
  26. Respostas
    1. Thank you for your visit!
      Do you have a blog? I could not find a link.

      Excluir
  27. A beautiful poem. Where do you find those pictures to go on your blog?

    ResponderExcluir
  28. A beautiful poem. Where do you find those pictures to go on your blog?

    ResponderExcluir
  29. Não vale a pena perder muito tempo.

    ResponderExcluir
  30. Verinha, muito obrigada por suas palavras, carinho e amizade. Como é difícil passar por tudo isso...
    Também sinto consolo em acreditar que terei minha mãe em outro plano...
    Algum tempo atrás tive um sonho tão lindo e tranquilizador com ela. Onde ela me levou onde ela estava vivendo e me contou um pouco de sua nova vida. Acordei tão leve e muito emocionada. Só de lembrar desse "sonho" as lágrimas voltam aos meus olhos...

    Gosto muito de vc! Um abraço bem apertado Verinha!

    Beijos

    ResponderExcluir
  31. Bem disseste, Vera: que linda crônica! E quanto tempo perdemos, às vezes, em lugares onde o amor não está presente! Boa semana, amiga.

    ResponderExcluir
  32. R.: É mesmo. É extremamente interessante.

    Vou seguir o blogue. Espero que possa fazer o mesmo.

    ResponderExcluir
  33. oi, a crônica realmente é profunda e faz pensar, tem pontos muito bem sacados como a frase do namoro insípido,rsrs adorei teu espaço, super aconchegante, te sigo e te aguardo pra uma visitinha no meu blog:

    http://espiritismofacilitado.blogspot.com.br/ bjs

    ResponderExcluir
  34. oi, a crônica realmente é profunda e faz pensar, tem pontos muito bem sacados como a frase do namoro insípido,rsrs adorei teu espaço, super aconchegante, te sigo e te aguardo pra uma visitinha no meu blog:

    http://espiritismofacilitado.blogspot.com.br/ bjs

    ResponderExcluir
  35. Nossa, fez mt bem em partilhar, Vera. Crônica densa e que faz pensar, aliás, como todas que vc compartilha aqui. Tem pessoas que tem uma facilidade imensa para expor o que sentimos. Bjs e boa semana.

    ResponderExcluir
  36. Hola Vera, excelente texto que compartes, es muy reflexivo, muy humano,me gusta y se aprende mucho con él. Gracias querida amiga. Un fuerte abrazo. Que pases un lindo día.

    Lola Barea.

    ResponderExcluir
  37. Verinha, Santo Antônio de Lisboa é um bairro bem lindo, açoriano... Uma delícia pra estacionar o carro e sair caminhando como fizemos domingo <3 Um dia vc precisa vir conhecer!

    Não posso reclamar, o Evandro está sempre disposto...

    Agora sobre o sonho... sempre sonho com minha mãe, mas aquele só aconteceu uma única vez. Pelos livros que li da Patrícia, imagino que seja mesmo o que você me falou. Fico tão feliz, pena que não pode ser quando desejamos né?

    Um grande beijo Verinha

    ResponderExcluir
  38. " ha esconderijos disponíveis para cultivar a paz" Que lindo isso". Que cada um possa encontrar a paz dentro de si, sem se submeter , sem se humilhar, vivendo plenamente. bjs. Um lindo final de semana.

    ResponderExcluir
  39. Verinha, vim te deixar um beijo e te desejar um lindo final de semana!

    Nanda

    ResponderExcluir
  40. Hi Vera,
    I wish you a nice weekend.
    Greetings and hugs.

    ResponderExcluir
  41. UN TEXTO REFLEXIVO. GRAN MENSAJE.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  42. Olá, querida Vera Lúcia!

    Tudo bem com você e família? Por aqui, tb, mas nem parece Primavera: frio e muita humidade.

    Li, interiorizei, e acho que estou pronta pra "botar discurso" (risos). Ora, vamos lá!

    Não conheço nem o nome da autora da postagem, k decidiu fazer, mas, olhe k valeu bem a pena. Sabe, qdo a estava lendo, no meu cérebro começou a desenhar-se algo, enfim, um pouco poético e lírico, mas eu já não "tenho cura", nesse aspeto.

    O título da crónica é, simplesmente, arrebatador e bombástico. Tem tanto de paraíso, qto de inferno. De facto, para quê ficar perdendo nosso tempo, nossos sentimentos, com pessoas e com lugares não merecedores de nosso carinho?
    Onde há amor, há harmonia, entendimento e muita doação. A mão até pode estar áspera ao toque, mas essa aspereza pode ser fruto da atividade profissional k a pessoa desenvolve, ou mesmo, da avançada idade da mesma. Nós sabemos, muito bem, distinguir asperezas, de todo o género, e as classificar.
    Fugir de tudo, incluindo pessoas, o k é inóspito, o k já não sente, o k já não consegue fomentar alegria, cheiro, cor e sabor.

    NÃO SE DEMORE, AMOR!

    Não se demore, amor!
    Preciso de seu sorriso
    de seu afago alargado
    de suas mãos ardentes
    de sua risada animada
    de seu olhar multicolor
    de seus braços quentes
    de sua boca gostosa
    de sua pele acetinada
    de seu corpo envolvente.
    Não se demore, amor!
    A vida está cá dentro
    a verdade é a base
    o resto pouco importa
    se temos o mundo à porta.

    (Céu)

    Um bom fim de semana.

    Afetuosamente, um beijo e sincero abraço.

    ResponderExcluir
  43. Uau! Que coisa boa de se ler!
    Eu aprendi, com o passar do tempo, a não me demorar onde não exista amor, e quão bem isso me faz.
    Amei essa partilha.
    Beijos querida Vera.
    Saudades.
    Bom final de semana.
    Ahhh, obrigada pelo carinho lá no Rabiscos.

    ResponderExcluir
  44. Adorei cada palavra, a escrita é simplesmente brilhante, nem sei como classificar o que acabei de ler.
    Beijos.
    http://coisinhasdamiia.blogspot.pt/?m=1

    ResponderExcluir
  45. Oi Vera, o que me trouxe aqui foi a mesma frase cuja autoria buscava.
    Mas tive a feliz surpresa de me deparar com este lindo texto! Obrigada!
    Mas voltando à questão da autoria, me lançaram um terceiro concorrente: nem Frida, nem Augusto, seria da italiana Eleonora Duse. rs

    ResponderExcluir
  46. Boa Tarde amiga Vera, que saudade de você! Vim bordar um recadinho na sua página desejando-lhes um bom domingo acompanhado de amigos e familiares.
    Amigos, não foi dessa vez que consegui uma vaga na câmara dos vereadores de BH, mas recebi votos que me alegraram muito e que me deram força para continuar com meus projetos sociais e continuar na política para ajudar a melhorar a situação de onde moramos! Por isso agradeço por todo apoio e aviso-lhes que precisarei sempre da força de vocês! Agradeço imensamente pelas palavras de carinho que deixaram na minha página!
    Fiquem com Deus!
    ♥Hilda's Bordados♥
    ♥Face - Hilda's Bordados♥
    ♥ YouTube - Hilda's Bordados♥

    ResponderExcluir

OBRIGADA PELA VISITA E COMENTÁRIO.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...