Bloqueador de Selecao

domingo, 12 de fevereiro de 2017

SINTO FALTA...

                                                      (Ilustração: Christian Schloe art)


Hoje trago um poema da minha irmã, Marilene Duarte,  que versa lindamente sobre carências importantes que reinam no mundo atual. (O poema foi extraído do seu blog Momentos Fragmentados, ora em estado de hibernação-http://umcanto-recantodaalma.blogspot.com.br).


                                                   SENSIBILIDADE

                        Sinto falta de uma sonora gargalhada...
                          
                          Por que ninguém mais ri,
                          Despudoradamente,
                          Meneando a cabeça
                          Movendo o corpo
                          Abraçando a vida?
                          Só encontro meros sorrisos,
                          Na maioria contidos,
                          Como se mostrar alegria
                          Ainda que por instantes
                          Fosse proibido

                          Sinto falta de demonstrações reais de felicidade...

                          Por que elas apenas aparecem,
                          Falsificadas,
                          Nas redes sociais?
                          Só encontro faces fechadas
                          Pessoas apressadas
                          Como se uma pequena pausa
                          Para olhar o céu,
                          Sem qualquer véu para se cobrir,
                          Fosse perda de um precioso tempo
                          Que, certamente,
                          O relógio desconhece

                          Sinto falta de mãos entrelaçadas...

                          Por que o toque é dispensado,
                          Os braços caminham em abandono
                          As mãos se ocupam de coisas outras
                          Esquecendo o afeto
                          Que pelas ruas não se presencia?
                          Só encontros "ficantes" desinteressados,
                          Oportunistas sem real sentimento,
                          Para os quais até a troca de olhares
                          É cansativa e dispensável
                          Pois estão presos aos modernos dispositivos
                          De equivocada comunicação

                           Sinto  falta da verdadeira emoção,
                           Aquela transparente nos mínimos gestos...
                           Da cumplicidade espontânea
                           Do carinho que ignora outros olhares,
                           De gente que se mostra
                           De gente que sente
                           E não se envergonha
                           Ao demonstrá-lo pelos quatro cantos
                           Dos espaços por onde passa

                           Sinto falta da tão ausente
                           Naturalidade...
                           Aquela que já guiou nossos passos
                           Em outra idade,
                           Do riso franco, encantado,
                           Da magia dos antigos enamorados
                           Que em sonhos traçavam planos
                           Sem preocupação com os anos
                           Ou com a realidade,
                           E capazes de amar até a saudade.

                           Talvez sinta falta, de verdade, 
                           De todas as demonstrações
                           De sensibilidade...
                           Por que  se foram?
                           Por que se esconderam?
                           Com sua fuga, deixaram em seu lugar
                           Apenas carências, insatisfações,
                           E um céu nublado,
                           A encobrir a luz dos corações.

                                         (Marilene Duarte)
                            

Obs: Lembro a todos que o meu retorno à blogosfera está acontecendo de forma parcial, ou seja, estou apenas me limitando à retribuição de visitas.



segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

RESSENTIMENTO.

domingo, 29 de janeiro de 2017

É PRECISO VER OU SENTIR O SOFRIMENTO PARA SE APRECIAR A VIDA?



Buda dizia que os seres humanos podem ser comparados a quatro tipos de cavalos.

O primeiro cavalo, ao ver a sombra do chicote,  galopa.
Este seria o ser humano que ao ouvir sobre sofrimento e dor de seres desconhecidos, começa a apreciar sua vida.

O segundo cavalo, precisa ser chicoteado na pele para galopar.
É a pessoa que precisa sentir a dor ou o sofrimento de alguém conhecido (mas não muito íntimo) para começar a apreciar sua vida.

O terceiro cavalo precisa ser chicoteado até cortar o pêlo e penetrar a carne.
Alguém que só começa a apreciar a vida depois de perder ou sofrer muito com as dificuldades de alguém muito amado/a ou próxima/o.

O quarto cavalo só é capaz de galopar quando o chicote o fere até o osso.
Essas pessoas só conseguem apreciar a existência quando percebem que ela está quase a se acabar.


Que tipo de cavalo é você? Que tipo de cavalo você pode se tornar? 

(Monja Coen)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...